A inflação do setor de serviços no Brasil

Ótimo trabalho de “formiguinha” do pessoal do BCB sobre o tema. Sim, a conclusão é a de que:

As evidências indicam que as pressões inflacionárias do setor de serviços, observadas desde 2005, estiveram concentradas em dois subsetores: Serviços Intensivos em Trabalho, e Alimentação Fora do Domicílio e Passagem Aérea. Esse dois subgrupos, com representatividade conjunta de 48,8% no segmento de serviços no IPCA, contribuíram com cerca de 54,7% da inflação total dos serviços no período de doze meses encerrado em novembro de 2013.

Pois é, amigos, a inflação do setor de serviços é um dos temas mais importantes porque, em geral, serviços são non-tradable (não-comercializáveis). O manual de Sachs & Larrain mostra detalhes do modelo tradeables and non-tradeables (TNT) em algum capítulo. Acho que o livro de Simonsen & Cysne também tem algo lá sobre o tema.

O relatório completo do BCB, do qual tirei este tema está aqui. Seja você membro do Nepom ou não, este relatório é algo que você deveria ler, obrigatoriamente, como exercício trimestral. Após algumas leituras você terá massa crítica suficiente para um debate melhor acerca da macroeconomia brasileira. Pode apostar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s