Setor Público e Política Fiscal

Foi aprovado recentemente, no plenário do Congresso, o projeto de lei que estabelece algumas mudanças nas regras do superávit primário de modo que a União não mais é obrigada a cobrir as metas fiscais não atingidas de Estados e municípios este ano. Boa alternativa para retomada de credibilidade.

Bem, vou me ater aqui ao elementar. A ideia básica por trás do resultado primário é o que o governo central economiza para pagar os juros da dívida pública, ou seja,  consiste na diferença entre receita e despesa do governo (fora aquelas provenientes de juros). Caso o superávit primário seja igual ao valor dos juros devidos, a dívida permanece constante, mas se for insuficiente a parcela não paga dos juros é incorporada à dívida, fazendo-a aumentar.

Outro conceito importante é o resultado nominal, que difere do primário pela inclusão de receitas e despesas financeiras, incluindo então o valor dos juros no cálculo. Essa diferença entre despesa e receita total corresponde justamente à necessidade de financiamento do setor público.

O resultado primário e nominal são comumente medidos como percentual do PIB porque quanto mais elevado ele for, maior tende ser a receita, de modo a ampliar a capacidade do governo para pagar juros e amortizar dívidas. Com o resultado primário é possível impedir que a dívida cresça a uma taxa superior a do PIB para que o governo não enfrente dificuldades pra refinanciar a ou pagar a dívida no futuro.

Ultimamente o Brasil tem transitado basicamente entre duas situações, a saber, um resultado nominal deficitário com um superávit primário adequado (mantendo a relação dívida/PIB constante ou em declínio lento e gradual); e déficit nominal acompanhado por um déficit primário (fazendo crescer a relação dívida/PIB).

Dito isso, faço a comparação desse mês de setembro com o mesmo período do ano passado apontando um incremento das despesas significativamente maior que o das receitas, o que resultou em um déficit de R$10,5 bilhões. Disso decorre que o resultado de setembro é o pior desde 2008. O curioso é que 2009 foi cenário dos reflexos da crise internacional e, portanto, de um maior afrouxamento fiscal.

Dada a mudança nas regras do superávit primário, o desempenho para setembro e o contexto de ano eleitoral, engatinho junto à minha credibilidade na potência do cumprimento da meta de superávit primário do governo federal.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s